Primeiros resultados do inquérito “Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro” foram apresentados na Sorbonne Nouvelle 3 (Paris)

Sílvia Melo Pfeifer e Alexandra Schmidt apresentaram os primeiros resultados do inquérito por questionário elaborado no âmbito do projeto “Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro” no colóquio internacional DILTEC 2012. Este colóquio foi subordinado ao tema “Línguas, Culturas, Sociedades: Interrogações Didáticas” e decorreu entre os dias 20 e 22 de junho, na Université Sorbonne Nouvelle 3, em Paris. A comunicação da estrutura de Coordenação do Ensino Português na Alemanha, intitulada « Représentations croisées de la communauté portugaise, des enseignants et des apprenants de Portugais Langue d’Origine. Enjeux et perspectives didactiques”, analisou as respostas ao questionário dos públicos que com a Língua Portuguesa se relacionam enquanto Língua de Herança (ou “de Origem”, segundo tradição terminológica francesa), a saber: Comunidades Portuguesas, Pais e Encarregados de Educação, docentes da Rede EPE e estudantes do ensino básico e secundário.

Da análise dos resultados fica patente o perfil plurilingue dos diferentes públicos inquiridos, que se situam maioritariamente na Europa (mas que se incluem também na Venezuela, na África do Sul e na China, de entre outros). O perfil analisado dá conta de contactos plurilingues e multiculturais entre as nossas comunidades e as comunidades dos e nos países de acolhimento, refletindo um percurso de integração e de diálogo que se estende, na maioria dos públicos, a um período superior a 10 anos.

Ressaltou ainda uma imagem extremamente positiva da Língua Portuguesa e do povo português residente no estrangeiro, ao qual se associam as imagens de “trabalhadores” e de “bem integrados”. A valorização da experiência da imigração é também uma referência constante, assim como a Portugal como “eterno retorno” a que se aspira, com referências constantes à “família” e à “saudade”. As associações são, em suma, extremamente positivas em termos afetivos, identitários e culturais.

A Língua Portuguesa continua a ser referenciada, por todos os públicos inquiridos, como “Língua Materna” (LM), embora se assista já a sinais de transição para outras designações, uma vez que todos os públicos referem outras LM ou outras co-LM. Em termos de representações, é notória uma imagem muito positiva e consensual em relação à sua beleza, à sua riqueza em termos culturais e à sua disseminação mundial, no que poderíamos designar como polo afetivo e identitário. No entanto, o poder económico e político da Língua Portuguesa (ou polo estratégico) é percecionado de forma mais neutra. Finalmente, no polo do ensino-aprendizagem, a Língua Portuguesa é considerada, por alunos do Ensino Básico e Secundário, como sendo apenas relativamente fácil e moderna, o que evidencia a concorrência de outros “mercados linguísticos”, nomeadamente educativos.

Em termos de consequências pedagógicas e didáticas, designadamente em termos de Ensino do Português no Estrangeiro enquanto Língua de Herança, os resultados evidenciam a necessidade de transmitir, de forma mais coerente e planeada, uma imagem de modernidade da Língua e da Cultura Portuguesas e de destacar a sua dimensão internacional (em termos económicos e políticos). Tal necessidade coloca a seleção e a construção de materiais didáticos, enquanto mediadores entre docentes, aprendentes e os saberes, no centro de algumas questões de política linguística para o Português.

Recorde-se que, em termos de arquitetura global, o referido questionário pretendia diagnosticar as representações sociais acerca da Língua Portuguesa e do seu ensino-aprendizagem em diferentes contextos e junto de diferentes públicos. Os públicos inquiridos poderiam identificar-se como Membros das Comunidades Portuguesas no Estrangeiro, Encarregados de Educação (caso em que os educandos estariam inscritos nos cursos de Língua e Cultura Portuguesas), Docentes da Rede de Ensino Português no Estrangeiro (EPE), Leitores, Estudantes Universitários, alunos do Ensino Básico e Secundário e Outros. O questionário dividia-se em 4 secções principais: i) caracterização sócio-económica, educativa e profissional dos diferentes públicos: ii) caracterização em termos de perfil linguístico; iii) imagens da Língua Portuguesa e da Lusofonia; iv) imagens do Ensino Português no Estrangeiro. Através dos resultados obtidos, na sua transversalidade, poder-se-á analisar as imagens desta língua enquanto Língua Materna, Língua Estrangeira e Língua de Herança e cruzar estes dados, de forma a ilustrar as divergências e as convergências daquelas representações e a perspetivar pistas de intervenção e de formação didáticas para cada cenário de ensino-aprendizagem. Esses cenários, conforme tem sido aceite pela comunidade de investigadores, apresentam aspetos comuns e diferentes, que convém reconhecer e analisar.

O projeto “Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro” é uma iniciativa da Coordenação de Ensino Português na Alemanha, com o apoio do Instituto Camões.

Sílvia Melo Pfeifer
Alexandra Schmidt
Coordenação do Ensino Português na Alemanha

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s